Banda X - Lola Lola

Quando e onde tudo começou?
• Começamos em 2014, após a extinção de Os Tornados. O Hélder, o Miguel e o Tiago continuaram a tocar, primeiro como um trio, explorando vários universos musicais em formato unicamente instrumental. Pouco tempo depois, fizemos uma parceria, na altura com o João Azeredo, para juntarmos o saxofone ao som que íamos definindo gradualmente, ficando assim formado um quarteto. No entanto, só nos assumimos efetivamente como banda com a chegada da Carla Capela para a voz. Depois da passagem também do Mário Brito e do Samuel Silva pelo Saxofone Barítono, entregamos definitivamente essa responsabilidade ao Rui Teixeira, há cerca de um ano atrás.

Banda ou artista que vos inspirou nesse inicio.
• Mais do que só um artista ou banda, os gostos musicais que inspiraram a criação dos Lola Lola andam à volta do Rhythm and blues, Popcorn, Beat, Rock n Roll, Exótica, Mod, soul, surf, rockabilly, garage, etc.

Se fossem uma cor, qual seria? Porquê?
•  Preto. Viemos da escuridão e voltaremos para lá. Não nos esquecemos que estamos de passagem.

3 músicas vossas.
• A “Sweet Lovin’”, gravada totalmente para um Fostex de 4 pistas, foi a nossa música que atraiu mais atenção em todo o mundo, chegando o sete polegadas que a incluía a atingir os 50 dólares num leilão no ebay e, curiosamente, é a mais simples em termos de arranjos musicais. A “Voodoo Man”, pelo prazer que nos dá em tocá-la ao vivo. A “Killed a Man in a Field”, por ser a música que retrata a nossa fase mais recente.

Melhor palco que já pisaram.
• Mais do que um palco, porque até foi o secundário, o nosso segundo concerto foi no extinto Festival Noites Ritual. Foi sempre um evento que fazia parte do nosso calendário enquanto expectadores e onde alguns de nós tiveram o privilégio de terem lá tocado com o Conjunto Contrabando e com Os Tornados.
Com os LOLA LOLA acabou por ser um concerto memorável, com casa cheia, continuando as festividades juntos de amigos, até ao amanhecer. E isso é o que vale.

Palco de sonho.
• Não temos nenhum que nos faça falar constantemente dele para que seja considerado um sonho. No entanto, esteve em vias de se concretizar, em 2017, uma ida Tucumcari, em New Mexico, ao Festival Rockabilly on the Route. Foi mesmo por pouco.

Quem gostariam de ressuscitar ou convidar para estar convosco em palco?
• O Curtis Knight, para cantar a Voodoo Woman num dueto com a Carla Capela.

Para 2020...
• Levar o “Killed a Man in a Field” na algibeira para concertos o mais longe possível.



À conversa... A.A.A.


© 2019


www.fenther.net ® Todos os direitos reservados @ 2019

Manifestações: geral@fenther.net















      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006