Banda X - The Dirty Coal Train

Quando e onde tudo começou?
• Ui, isso é relativo! os The Dirty Coal Train começaram com uma demo muito crua do Ricardo quando acabaram os Puny centrada na vontade de fazer garage punk e pelo amor aos Birthday Party. A vontade de fazer música para o Ricardo começou num festival em Viseu em 1992 (com nomes como Major Alvega, Great Lesbian Show, Tedio Boys, Legendary Pink Dots, Yo La Tengo,…) e ao ver repetidamente VHS dos concertos de Pixies, Neil Young, Sultans of Ping e Nirvana.
A Beatriz entrou para a banda em 2012, já estava o comboio em marcha. Começou algures em 1995 a sua primeira banda com mais 3 raparigas onde compunha, cantava e tocava guitarra. A cena musical em Viseu estava muito viva e havia até apoios camarários na organização de festivais que incentivavam toda a cena musical na época.

Banda ou artista que vos inspirou nesse inicio.
• Ricardo: Pixies
Beatriz: Babes in Toyland

Se fossem uma cor, qual seria? Porquê?
•  Ricardo: gosto da palavra “fuchsia”!
Beatriz: HAHA! gostas porque fui eu quem te deu a conhecer essa palavra! É uma cor vibrante que tanto pode ir do rosa choque ao avermelhado, tonalidades que são bem representativas do calor e da vibração que emanamos (espero eu :P )

3 musicas vossas.
• Ricardo: Como assim? Preferidas? “Malasuerte” a primeira que fizémos os dois, “Jesus Loves…” do álbum novo e “Black X/J’accuse” do Super Scum.
Beatriz: “Poison Darts” do primeiro LP o vermelho, “Hemingway at 51” do Super Scum e talvez a “Lone Ranger” do último disco.

Melhor palco que já pisaram.
• Ricardo: Muito difícil decidir isso! Dos recentes adorei uma festa no Krach Club em Treviso, Italia onde espalhámos o caos entre famílias que faziam o seu churrasco e crianças que saltavam no escorrega insuflável gigante!
Beatriz: todos aqueles em que nos disseram que podíamos pôr as guitarras mais altas <3

Palco de sonho.
• O próximo!

Quem gostariam de ressuscitar ou convidar para estar convosco em palco?
• Ressuscitar: Captain Beefheart, convidar para o palco a Ana Banana para fazer o seu sax sempre que possível! A Beatriz ressuscitava também o Lux Interior porque nunca chegou a ver os Cramps ao vivo e tem uma tristeza imensa de não ter visto o Charles Bradley e certamente seria uma das bonitas pessoas com quem partilhar o palco…

Para 2019...
• Tocar bastante, espalhar este “Portuguese Freakshow” e preparar o álbum gravado no Brasil.



À conversa... A.A.A.


© 2018


www.fenther.net ® Todos os direitos reservados @ 2018

Manifestações: geral@fenther.net















Bandas X


Bed Legs


PAUS


Tipo


The Weatherman


Moonshiners


de Turquoise


Grandfather's House


Dear Telephone


Trêsporcento


Máquina del Amor


Gonçalo


Mano a Mano


Tomara


Rui Taipa


Rosemary Baby


O Martim


oLUDO


Anarchicks


Mariano Marovatto


Vaarwell


D'Alva


Galo Cant’Às Duas


The Black Zebra


Corvos


Ana Free


Marvel Lima


Old Yellow Jack


The Sunflowers


Cave Story


Terrakota


Joana Barra Vaz


Smartini


SOUQ


Mirror People


Noiserv


Birds Are Indie


The Twist Connection

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006