Russian Circles no Hard Club

Russian Circles + Cloackroom + Putan Club
2017.03.11 - Hard Club, Porto

A noite estava anunciada para dois nomes numa sala do Hard Club. A demanda, tal como no dia anterior com Stoned Jesus, levou a que a escolha final recaísse numa sala 1, que recebeu cerca de 800 pessoas.
Talvez por isso, ou talvez porque a oportunidade surgiu, a Amplificasom resolveu brindar o público com um nome extra, os franco-italianos Putan Club, que regressavam ao Porto com o seu Rock Manifesto. De um lado da sala, a baixista Gianna Greco, percorrendo o público, flirtando com a audiência; do outro lado, o guitarrista François R. Cambuzat, visceral, ocasionalmente defrontando-se com a sua colega, menos interativo com o público mas igualmente cativante. Rock genial e uma excelente surpresa para iniciar a noite!

Mais sensaborão, depois da descarga de Rock anterior, revelaram-se os norte-americanos Cloackroom, numa miscelânea de estilos que tanto roçava o post-rock, como o indie e shoegaze. Talvez pelo tipo de sonoridade, o trio de Indiana esteve longe de entusiasmar o público em letargia, mesmo que na frente se percebesse terem alguns fãs. Um nome que não traz nada de novo ao género e soou desinspirado, talvez mais interessante num qualquer festival de verão. Finalmente os Russian Circles, mais uma vez de volta ao Porto, escondidos atrás da música e deixando que esta falasse por eles. Depois de “Asa” para iniciar, a sísmica “Vorel”, com uma percussão irrepreensível mas onde a guitarra ligeiramente baixa não deixou sentir a intensidade de uma das melhores faixas de Guidance. O setlist incluiu temas não só do último álbum, como “Afrika” e “Mota”, mas relembrou também algumas boas malhas anteriores, como a desoladora “Deficit”, a crueza de “309”, “Harper Lewis” e “Mlàdek”. Particularmente bonito o solo de bateria em “Afrika”, iniciando aí talvez um dos momentos mais íntimos e intensos do concerto, que se prolongou em “Harper Lewis”. Um excelente concerto de apresentação para “Guidance”, que terminou em crescendo com a explosão de “Youngblood” como encore, com o público imerso e em sintonia até ao final.

A noite não ficou completa sem se espreitar o Radio Bar, onde os Astrodome celebravam o regresso a casa, juntamente com Solar Corona, onde deram mais um excelente concerto. ☆


      



Putan Club


Putan Club


Putan Club


Putan Club


Cloackroom


Cloackroom


Russian Circles


Russian Circles


Russian Circles


Russian Circles


Russian Circles


Russian Circles


Emanuel Ferreira & Rita Afonso

☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆

Anteriores



      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006