A.A.A.
Access All Areas




Estivemos à conversa com Tipo a propósito da edição de "Novas Ocupações".

Fenther – Quem é este TIPO?
Tipo – TIPO é Salvador Menezes, membro co-fundador dos You Can’t Win, Charlie Brown que decidiu fazer umas músicas a solo.

Fenther – Como nasceu essa tua vontade de fazer boa musica?
Tipo– Isso de ser boa ou má música é muito subjectivo. Este projecto nasceu da insatisfação profissional, estava cansado da rotina do trabalho.

"A inspiração tem vontade própria, às vezes resolve-se tudo numa tarde, outras deitamos o trabalho de um dia todo para o lixo."

Fenther – Fala-nos um pouco sobre "Novas Ocupações"...
Tipo– É um álbum com 10 faixas, sendo a temática principal do disco as mudanças que fui tendo na vida ao longo destes últimos 3 anos em que o disco foi feito.

Fenther – A inspiração deste trabalho... vem de onde?
Tipo– Era bom que soubesse, ia buscá-la sempre que quisesse. A inspiração tem vontade própria, às vezes resolve-se tudo numa tarde, outras deitamos o trabalho de um dia todo para o lixo.

"Há cada vez mais bandas e de grande qualidade. Seria espectável que, com a quantidade, a qualidade diminuísse, mas é exactamente o oposto."

Fenther – Já com 3 singles editados, este recente "Novos Ofícios" tem algo especial com ele, certo?
Tipo– Esta música é a mais pessoal de todo o álbum e tem inspiração numa situação que estava a acontecer a uma pessoa muito próxima na altura em que a escrevi. Fala principalmente sobre a maternidade e tudo o que isso implica na vida de uma mãe, aliada ao facto de estar descontente profissionalmente. O coração que se ouve é da minha filha, na segunda ecografia pedi ao médico para gravar um bocado do batimento cardíaco - a partir dessa pulsação compus toda a canção. A letra surgiu naturalmente. O som ambiente foi gravado no dia e local onde essa pessoa decidiu demitir-se (eu acompanhei-a).

Fenther – Quem te acompanha nesta aventura TIPO? Convidados ou fieis companheiros...
Tipo– Ao vivo, quem me acompanha são 4 grandes músicos e amigos, que por acaso são os restantes membros dos You Can’t Win, Charlie Brown - Afonso Cabral, David Santos, João Gil e Tomás Sousa. Não faria sentido estar a tocar com outras pessoas, sendo que é com eles que me sinto confortável em palco e eles já me conhecem muito bem.
No disco, o álbum foi co-produzido por mim, o Benjamim e o Afonso Cabral. Tocaram nalgumas músicas sempre que achavam que tinham alguma coisa a acrescentar. O Tomás Sousa foi o baterista de todas as músicas.

Fenther – Por onde vais estar em breve?
Tipo – 16 de Março é o concerto de apresentação na galeria Zé dos Bois (ZDB).

Fenther – Pataca Discos... Porquê?
Tipo– Porque é uma editora que já conheço perfeitamente e também admiro todos os artistas/bandas editados. Aliado a isso sou também agenciado pela Pataca dando o bónus de trabalhar com um dos melhores agentes em Portugal, o João Vaz Silva.

Fenther – Musica nacional na tua opinião? Está de boa saúde?
Tipo– Está de óptima saúde. Há cada vez mais bandas e de grande qualidade. Seria espectável que, com a quantidade, a qualidade diminuísse, mas é exactamente o oposto.

Fenther – Que bandas recomendas?
Tipo– Cassete Pirata, Alek Rein e todos os artistas da Pataca Discos.

Fenther – Mensagem final...
Tipo– Apareçam dia 16 na ZDB.

Vitor Pinto



      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006