Bandas/Discos | Crónicas | Livros | Eventos | DJ7 | Links | Apoios | Home


Mais Discos Fenther

Edições ao telescópio...

U-Clic – «Console Pupils»

U-Clic. A banda electro punk rock que Portugal está a ver passar…

Muitas são as movimentações desta banda de Tomar. Muita é a energia depositada em danças sem est éreo tipos, suores despejados ao encanto de uma guitarra em melodia constante. Batidas que servem para marcar o ritmo que é despropositadamente alterado para um consumo mais envolvente. A voz humana do “robot” Filipe Confraria confirma a regra da certeza de um bem-estar com a vida, com a vontade de viver, e por tal, com a vontade da dança.
Tudo isto é sentido ao vivo, em qualquer palco onde a tripla U-Clic se apresenta, sempre envolto de um imenso componente visual.

Mas desde o início de 2007, há por ai uma rodela, semelhante a muitas outras. A diferença, é que esta rodela que aqui se retrata, é “Console Pupils”. O álbum de estreia deste colectivo.
Graficamente bem elaborado, deixamos a capa em qualquer parte, mas que esteja sempre bem ao nosso alcance. Introduzimos num qualquer leitor e num “play” sugestivo, sente-se de imediato as batidas fortes de “Unfashionautic Superstars”. O retrato da fonte de inspiração que fez todo o percurso U-Clic, at é chegar ao local do crime: Hoje! O desafio, é a descoberta de todas as bandas presentes neste capítulo. (Uma ajuda: nos concertos ao vivo, são projectadas varias capas de discos das referidas bandas!).

Estão incluídos neste registo de estreia, os três temas que serviram de singles de apresentação. “Ici in Disneyland” – o nome diz tudo, “Europa” – para os amantes do futebol e tudo à volta, e “Robot´n´Roll” – o tema master dos U-Clic. Aquele que foi logo vincado na folha de partida para esta viagem electrizante. Se ainda não o conhecem, experimentem, mas não sem antes apontarem para o tema anterior, o que faz ligação directa ao purismo do Punk Rock. Ironicamente intitula-se “Pop Rock”. Mas não se deixem levar pelo título, e oiçam sem receios com o volume no máximo. Obrigado.

Sem querer correr aqui todas as 11 faixas, embora fossem merecidas, saúdo outros dois grandes momentos neste disco. “Xhuttle” um aroma refrescante capaz de nos deixar inquietos. Sente-se essa vontade perfeita por parte de Luís Salgado, Filipe Confraria e Gonçalo Figueiredo.
Eleito como o melhor tema do disco por parte da gerência cá da casa: “Like”. O single de todos os singles. Todas as bandas deveriam ter um tema assim. Os germânicos Kraftwerk se estivessem a começar a sua carreira, faria um single assim. Eu quero ter um single assim só para mim. Não há agressividade dos instrumentos. Pelo contrario. Há uma paz. Uma paz que nos eleva a uma dança espiritual, de olhos fechados e sentimentos abertos.
Os mesmos sentimentos que acolhem esta banda irreverente, que sabe, que conhece e oferece, os verdadeiros prazeres da vida.

De Tomar para o mundo. Apanhem-nos, com ou sem My Space, não importa. Apanhem-nos!

U-Clic ouve-se, dança-se, vê-se, sente-se, é-se… Nós sugerimos: U-Clic-se!

Vítor Pinto

Mais Discos Fenther