Bandas/Discos | Crónicas | Livros | Eventos | DJ7 | Links | Apoios | Home


Mais Discos Fenther

Edições ao telescópio...



Norberto Lobo - «Mudar de Bina»

A editora Bor Land não para, nem de editar, nem de nos surpreender…
Final do ano e mais dois registos de fineza segura. Norberto Lobo e Lobster. Dois projectos distintos, mas que se cruzam ao mesmo tempo.

Norberto Lobo com o álbum «Mudar de Bina» oferece-nos uma viagem ao sentimento do som, às melodias de uma guitarra solitária. Sons envolventes de cariz sentimental. Influencias directas e notórias ao génio Carlos Paredes, sendo este mesmo registo dedicado ao ilustre senhor.
“Laura” o tema final, recria o cenário de um meio rural onde se escuta ao fundo o som das aves e dos sinos das igrejas adormecidas. É um cenário de aceitação ideal para tão suaves manobras numa guitarra que sabe ganhar vida própria, vida essa conduzida pelo toque perfeito de Norberto Lobo.



Lobster - «Sexually Transmitted Electricity»

Da dupla Lobster recebemos toda a agressividade de que uma guitarra e uma bateria unidas podem oferecer. Com os Death From Above 1979 sobre o horizonte de escuta logo no tema inaugural “Ultrabitch”, os Lobster são criadores de um registo diferente e atrevido. «Sexually Transmitted Electricity» traz frescura para a nova música portuguesa, mas ao mesmo tempo trás consigo um convite. Um incentivo para sermos ainda mais rebeldes e activos. Bem activos!

Há uma energia imparável ao longo dos doze temas que preenchem este registo e nós obviamente agradecemos. Descargas que são feitas, sem se desviar da elegância noise-rock que lhes confere.
Guilherme Canhão e Ricardo Martins merecem respeito e merecem naturalmente serem ouvidos com as devidas melodias que aqui oferecem, sempre em tons bem altos e agressivos.
Já fizeram provas ao vivo de toda esta força energética, resta agora o reconhecimento geral deste magnifico disco de estreia.

Vitor Pinto

Para adicionar mais informações sobre Lobster ou Norberto Lobo, agradecemos o contacto ou o envio de mais infos. Obrigado!

fenther@gmail.com




O Fenther esteve à conversa com Rodrigo Cardoso da Bor Land...

Fenther - 7 anos de emoções, 7 anos de luta. O saldo é francamente positivo?
Rodrigo Cardoso - Sim, bastante positivo. Contamos com um catálogo de mais de 30 discos e mais de 300 concertos produzidos. São sete anos passados com artistas que gostamos, com pessoas que gostamos. Depois é manter o propósito (e elevá-lo), com música e produções que desejamos que sejam cada vez melhores.

Fenther - Continua a valer a pena combater por aquilo que gostas? Sentes-te recompensado de alguma forma?
Rodrigo Cardoso - Não existe aqui nenhum forma de combate. Aliás, não consideramos o que fazemos tão importante para o considerar um "combate". Esse combate que falas, estará certamente mais associado com a persistência e o trabalho desenvolvido diariamente ao longo destes anos. E claro que nos sentimos recompensados, caso contrário dificilmente se está envolvido num projecto como este.

Fenther - A marca Bor Land ganhou um estatuto de reconhecimento e de respeito. Isso veio alterar de alguma forma a politica da editora?
Rodrigo Cardoso - Continuamos a produzir artistas que gostamos e sem isso dificilmente se conseguem conciliar ideias. A política mantém-se desde o início, fazer o melhor que sabemos e claro acreditar nos artistas, e tentar fornecer-lhes melhores plataformas de produção, promoção, edição...

Fenther - E para quando as edições internacionais? Há imenso potencial nas bandas que representas. Não concordas?
Rodrigo Cardoso - Será um dos pontos de acção de 2008. Está no nosso horizonte faz algum tempo, mas demora muito sedimentar relações, acordos, contratos. Não se pense que tal está à distância de um email. São vários... muitos...

Fenther - A chegada do Outono e com a queda da folha, mais duas novas edições. Vem ai mais uma fornada de excelentes discos?
Rodrigo Cardoso - Dois discos em dois planos completamente diferentes. Norberto Lobo com Mudar de Bina, apresentando-se sob o formato guitarra solo, e o explosivo e ruidoso duo Lobster com o primeiro longa-duração Sexually Transmitted Electricity.

Fenther - E mais uma maratona de concertos? Agenda cheia?
Rodrigo Cardoso - Sim e ainda bem. Finalmente conseguimos chamar a atenção de mais produtores de espectáculos, programadores, auditórios...

Fenther - É objectivo da Bor Land "romper" por outros locais, para melhor exposição do vosso catalogo?
Rodrigo Cardoso - Não sei exactamente a que locais te referes, mas desde sempre tentamos explorar da melhor forma os contactos que vamos fazendo, e claro que estes são pesquisa contínua ... O "problema" não é dispor de contactos mas sim o que fazemos com eles. Gostávamos de conseguir fazer eventos noutros locais, como livrarias, museus, até à sala de estar de um desconhecido!

Fenther - Locais diferentes e inovadores? Estou-me a lembrar da recente lista publicada onde inclui “show-cases” no loja de discos Jo Jo's ou na loja de roupa Maria Vai com as Outras.
Rodrigo Cardoso - Sim, apostamos também em locais que por hábito não estão acostumados a receber concertos. Por vezes funcionam como catalizador e conseguimos sempre suscitar o interesse de diferentes públicos.

Fenther - O futuro irá manter-se na diferença e na inovação como por exemplo as embalagens dos discos?
Rodrigo Cardoso - Sim, se temos olhos, porque não adoça-los? Porque não apresentar objectos aliciantes às pessoas? Custam o mesmo que os outros e dependem pouco mais que a imaginação. Acho que todos procuramos uma forma de "belo", e não me refiro propriamente a embalagens de discos, mas a quase tudo o que nos rodeia.

Fenther - Edições em vinil? Não estão nos planos da Bor Land?
Rodrigo Cardoso - Apenas editamos um 7'' de Alexandre Soares & Jorge Coelho intitulado "Cães aos Círculos", mas é um formato pouco expandido em Portugal. Quantas pessoas não deitaram fora os seus gira-discos... Gostávamos de produzir mais vezes vinil, mas tem custos de produção elevados. De momento temos na carteira um novo disco de Most People Have Been Trained To Be Bored que terá edição exclusiva em vinil.

Fenther - Estas edições de Lobster e Norberto Lobo, marcam o regresso. Lobo é bastante outonal, ou seja, chega na perfeita altura. Lobster, mais agressivo, com sons mais quentes a preparar terreno para o cenário de Inverno. Concordas? Foi esse o objectivo?
Rodrigo Cardoso - Vamos promover estes discos em conjunto bem como a realização de uma série de concertos comuns com os dois projectos ao vivo. Acho que um plano tão extremo na estética das bandas será óptimo, novos públicos e fazê-los coabitar num mesmo evento. Curiosamente o público não parece desiludido e tem gostado do conceito.

Fenther - Poderemos contar com mais 7 anos de excelentes edições?
Rodrigo Cardoso - Não faço a menor ideia, mas enquanto isto divertir e for financeiramente possível, porque não?

Rodrigo Cardoso
info@bor-land.com
http://bor-land.com

Mais Discos Fenther