Bandas/Discos | Crónicas | Livros | Eventos | DJ7 | Links | Apoios | Home


Mais Discos Fenther

Edições ao telescópio...

Final de 2007 Vol.1

Estamos no inicio de mais um ano. Altura em que se fazem contas, balanços, e um olhar para trás para ver o que ficou em registo neste ano de 2007.

Muitas foram as edições a nível nacional, ora por via discográfico e com a devida exposição, ora pela via independente, aquele que obriga os próprios músicos a trabalhar no formato “Do it Yourself” para poderem sobreviver.

Por entre novos projectos que surgiram, por revelações e até mesmo por alguns regresso de bandas míticas, estes são alguns dos discos que passaram pela prateleira de audições Fenther, e que retemos para ilustrar o final do ano com muita musica portuguesa, digna de ser bem tratada.

Falamos de grandes regressos no ano de 2007, e começamos já com um. Mata-Ratos, a mítica banda punk nacional. Regressam com um novo registo para fazer lembrar os bons velhos tempos. «Novos Hinos Para a Mocidade Portuguesa» é o nome deste registo, abençoadamente editada pela Rastilho, editora que tem vindo a fazer um excelente trabalho, nomeadamente dentro das edições em vinyl! Uma edição que marca os 25 anos de existência desta lenda ainda viva!

Ainda pelas mãos da Rastilho, chega-nos o álbum mais interessante do ano. Um aroma fresco que nos chega aos ouvidos e nos satisfaz. É o disco de estreia do colectivo de Leiria The Allstar Project. Com influencias marcantes entre Mogwai e Godspeed You! Black Emperor, estes cinco rapazes caminham entre a luz e a escuridão no álbum «Your Reward…A Bullet». Um disco para se ouvir com toda a atenção e volume no máximo. É o poder das guitarras em momentos alucinatórios.

Voltando um pouco as agulhas para a musica popular, o quinteto vocal das Vozes da Rádio presta a sua devida homenagem ao Conjunto António Mafra. Como foi isso possível? A vontade dos próprios Mafra juntou-se à ideia das Vozes da Rádio e pelo meio, surgem nomes tão dispares como Rui Veloso, NewMax, Miguel Guedes, Sérgio Godinho, Manuela Azevedo ou Rui Reininho. Todos estes amigos uniram vozes e nasceu «Sete e Pico, Oito e Coisa, Nove e Tal». Um excelente disco para ser consumido em dias festivos como a noite de S.João. Há ainda muita força na musica popular portuguesa e o colectivo Vozes da Rádio, não a deixa passar ao lado!

Datado em 2002, mas destinado ao Fenther neste ano, «O Som Maravilha dos Senhores», regista uma das inesquecíveis actuações das Vozes da Rádio em Portugal. O momento foi captado no Auditório da FAP no Porto no ano de 2000 e ilustra bem toda a boa disposição e criatividade destes rapazes. Um disco obrigatório.

Sobre o selo da Matarroa chega-nos outro disco bastante interessante. Da fusão entre o Hip Hop e o Raga, nasce um saudável momento para Bezegol. Nascido no Underground das ruas do Porto, este projecto foi feito para vencer. E o resultado não poderia ser outro. «Rude Bwoy Stand» trás novidade e muito ritmo urbano. Sintam as vibrações de Bezegol e deixem-se levar pela vontade e pela mensagem expressa. Oiçam a faixa escondida “Drástico” que junta Bezegol aos companheiros MatoZoo, e sintam a força desta gente!

Sobre o aviso “4 Short stories by Maria Dollita” é-nos apresentado o registo estreia dos The Doll & the Puppets. Surpreendente, alegre e sensual. São os adjectivos adequados para este novo som que nos chega da zona de Torres Novas. Com Maria Dollita chegam os 3 “The Puppets” e numa sonoridade directa apresentam o seu primeiro EP com 4 temas apenas. Somos levados para um mundo grotesco bilingue. Português, francês e inglês estão nas expressões deste colectivo que prepara o álbum de estreia para muito em breve. Registem este nome: The Doll & the Puppets. Vai-nos ser muito útil num futuro próximo.

Dos singles que se fizeram ouvir ao longo do ano, dois deles souberam viciar os nossos ouvidos , levando-nos de imediato a querer conhecer melhor as bandas e seus respctivos discos de estreia. Falo do single “Moving On” dos novatos Sean Riley & the Slowriders e do single “Big Three” dos portuenses Sizo.

Sean Riley um musico habituado a descontrair com suas canções simples mas ao mesmo tempo perfeitas, viu-se um dia “obrigado” a expor o seu talento para o mundo. Juntou as suas canções, sentou-se com os The Slowriders (Bruno Simões e Filipe Costa) e nasceu o belíssimo «Farewell», o longa duração onde vem obviamente incluído um dos singles do ano. São onze temas intemporais que estão bem com a vida… Isso traz-nos paz e um sentimento aberto para receber estas melodias a cada audição. Verdadeiros momentos para uma descontracção completa.

Menos pacifico e muito mais activo, são os oito momentos perfeitos que os Sizo trazem na alma e os expõe violentamente nas nossas emoções. O colectivo que está a dar que falar com as suas verdadeiras actuações explosivas por onde tem passado, causando momentos inesquecíveis. Apresentam uma energia única e celebram o disco de estreia de uma forma rebelde. «Nice To Miss You» é o causador desta festa desconcertante. Um registo que apenas está alojado no site dos Sizo, mas disponível gratuitamente para quem quiser ouvir um som forte, impulsivo e activista.
“Big Three” foi o single de apresentação, mas todos os outros temas celebram perfeição começando com o magnifico” The Slang is Dead” e terminando com o genial “First”. Novo ano, e novo disco prometem eles. Enquanto não chega, não percam os Sizo em actuações ao vivo. Excelente!

Vitor Pinto

Mais Discos Fenther