BONS SONS 2018
AMOR DE VERÃO COM CARTAZ ANUNCIADO

De 9 a 12 de agosto, o BONS SONS está de volta. Quatro dias, oito palcos e mais de 45 atuações são a receita deste amor de verão que, todos os anos, traz a Cem Soldos milhares de apaixonados pela música e pela aldeia. Durante o festival, as ruas, as praças, os largos e as esquinas ganham uma nova vida, a música apodera-se do território, e o amor de verão acontece.
Em 2018, o cartaz do BONS SONS surpreende pela diversidade com variados géneros musicais, artistas consagrados, músicos emergentes, muitas estreias, alguns regressos acarinhados e diversas atividades paralelas.

DEAD COMBO
Regressam, em 2018, com “Odeon Hotel”, sexto álbum de originais. Tó Trips e Pedro Gonçalves têm vindo a desenhar uma trajetória extraordinária, quer nacional quer internacionalemente, com influências do fado, rock e bandas sonoras dos westerns, bem como música da América do Sul e de África, que trazem agora ao BONS SONS.

SALVADOR SOBRAL
Salvador Sobral está de regresso aos palcos e estreia-se no BONS SONS com “Excuse Me”. Numa viagem que principia no jazz, o músico revela, ao longo deste concerto, em que promete explorar também algumas canções de um próximo disco, influências da bossa-nova, das sonoridades da América Latina e uma capacidade de interpretação inesperada, única e arrebatadora.

SLOW J
A natureza obsessiva com que vive a música é a primeira coisa que nos vem à cabeça quando pensamos em Slow J. Inspirando-se na profundidade da poesia de Sam the Kid e de Manuel Cruz e na energia pura de Imagine Dragons e Da Weasel, Slow J afirmou-se no panorama da música nacional com “The Art of Slowing Down”, que traz agora ao BONS SONS.

SELMA UAMUSSE
O BONS SONS recebe também Selma Uamusse com o seu primeiro álbum a solo, um mergulho no desconhecido a partir da busca da sua africanidade e da sua moçambicanidade, sem certezas quanto ao caminho a tomar. O resultado é uma explosão de géneros que pertence a muitos sítios e a sítio nenhum.

MAZGANI
Compositor, cantor e guitarrista natural do Irão mas radicado em Portugal desde a revolução Iraniana de 1979, Mazgani sobe ao palco do BONS SONS com o mais recente álbum de originais, “The Poet’s Death”.

SARA TAVARES
Depois de oito anos sem gravar, Sara Tavares regressa com um novo trabalho, antecipado pelos singles “Coisas Bunitas” e “Brincar de Casamento”, que revela uma sonoridade renovada, marcada pela introdução de elementos mais eletrónicos que se complementam com a riqueza dos arranjos dos instrumentos acústicos e a voz única que reconhecemos à distância.

SEAN RILEY & THE SLOWRIDERS
Também afastados dos palcos durante uns tempos, Sean Riley & The Slowriders regressam com um álbum homónimo: "Dili", "Greetings" e "Gipsy Eyes” são os singles de apresentação que vão entoar no BONS SONS.

CAIS DO SODRÉ FUNK CONNECTION
Apaixonados pelo funk e a soul, os Cais do Sodré Funk Connection recriam o som e o ambiente dos clássicos das editoras míticas das décadas de 60 e 70, com a energia de uma verdadeira celebração. É uma viagem pela história da música negra recriando, ao vivo, através de uma banda de nove elementos, alguns dos enérgicos momentos alguma vez gravados em vinil.

PAUS
PAUS continuam a ser Hélio Morais, Makoto Yagyu, Fábio Jevelim e Quim Albergaria. Um baixo, teclados e uma bateria siamesa ainda são as ferramentas do seu ofício. Oito anos, três LPs, dois, EPs, várias tours internacionais depois, a viagem levou-os à Madeira e, agora, ao BONS SONS. “Madeira” é o som dos PAUS a apaixonarem-se pelas cores e pelas pessoas que fazem a ilha. Um regresso ao BONS SONS.

LINDA MARTINI
A celebrar 15 anos de carreira, os inconfundíveis Linda Martini, banda de destaque no rock português, regressam ao BONS SONS com uma mão cheia de sucessos e o mais recente trabalho, agraciado pela crítica e pelos fãs.

LENA D'ÁGUA E PRIMEIRA DAMA COM A BANDA XITA
Ícone da pop-rock portuguesa, Lena d’Água sobe ao palco do BONS SONS com Manel Lourenço, o cantor e compositor que se apresenta como Primeira Dama, e com os membros do coletivo Xita Records.

ZECA MEDEIROS
Zeca Medeiros oferece temas onde se reconhece uma semântica muito própria, demonstrando toda a sua estética, diversidade e complementaridade deste ator, músico e compositor. “Aprendiz de Feiticeiro, Imagens e Canções” é o seu mais recente trabalho. No BONS SONS, podemos esperar uma mistura de sensações e uma viagem pelos mais de 40 anos de carreira do artista.

FAZEM AINDA PARTE DO CARTAZ DO BONS SONS 2018
The Lemon Lovers, 10 000 Russos, Peltzer, Mirror People, Lince, S. Pedro, O Gajo, Monday, Jerónimo, Tomara, quartoquarto, Luís Severo, António Bastos, Xinobi DJ set, Conan Osiris, Colorau Som Sistema, Tia Graça – Toda a gente devia ter uma, Fado Violado, Norberto Lobo, João Afonso, Ela Vaz, Miguel Calhaz, Motion Trio, Moonshiners, Palankalama, Patrícia Costa, Homem em Catarse, Orquestra de Foles, Vozes de Manhouce com Isabel Silvestre, Meta, Artesãos da Música, Douradas Espigas, Sacro, de Sara Anjo, UM [unimal], de Critina Planas Leitão, Filhos do Meio e Curtas em Flagrante.


OUTRAS NOVIDADES
Recordamos ainda algumas novidades desta edição: o novo Palco Zeca Afonso, um anfiteatro natural num campo com algumas oliveiras, muito propício a concertos destinados à nova música portuguesa. Por outro lado, dois palcos, que muitos já conhecem como a palma da mão, regressam com novos nomes e prontos a criarem novas memórias: o palco Tarde ao Sol, no adro da Igreja de São Sebastião, presta, a partir de agora, homenagem a Amália Rodrigues (Palco Amália) com concertos, não só durante a tarde, mas também à noite, e o Auditório de Cem Soldos passa a chamar-se Auditório Agostinho da Silva, não só durante o festival, mas durante o ano inteiro, com programação ligada às artes performativas, cinema ou atividades para crianças.
No que toca à comodidade, o BONS SONS implementou um conjunto de novos serviços, a pensar no bem-estar de quem vem viver a descontração da aldeia. Os pagamentos cashless, por exemplo, vão permitir a utilização da pulseira do festival, equipada com um chip recarregável, como moeda de pagamento. Por sua vez, a área da restauração surge aumentada, com mais diversidade e espaços mais amplos. Também a zona do campismo foi reforçada e oferece alternativas ao campismo tradicional, com tendas já montadas no recinto disponíveis em vários tamanhos, conforme o número de pessoas. A pensar nas noites quentes de verão, o festival traz ainda uma nova área de estar que convida à descontração debaixo do céu estrelado.

BILHETES À VENDA NOS LOCAIS HABITUAIS
PASSE 4 DIAS
Maio-Julho 40€ / Agosto 45€
BILHETE DIÁRIO
Maio-Julho 20€ / Agosto 22€



www.bonssons.com



Fenther.net © 08/04/2018