Bandas/Discos | Crónicas | Livros | Eventos | DJ7 | Links | Apoios | Home


Mais Discos Fenther

Edições ao telescópio...

Nuno Prata

Nuno, Nico, foi um nome que nos chegou ás mãos e aos ouvidos há algum tempo atrás. Uma embalagem comprida em cartão e com os nomes dos temas escritos á mão a marcador grosso. Havia questões sobre o assunto, mas: “O melhor é ouvir!”.
Um novo som animado, foi solto do cd. Nuno Prata e Nicolas Tricot, criavam uma nova sensação por estes lados. Para al ém da melodia viciante, espantoso era vê-los tocar ao vivo. Baixo e bateria. Só e apenas isso. Espantoso! Mas queríamos mais! Queríamos conhecer profundamente as criações daquele que em tempos foi baixista dos extintos Ornatos Violeta, ou seja, era o elemento menos excêntrico da banda, o que menos dava nas vistas. A surpresa foi, portanto, maior.

Ano de 2006 e a promotora portuense Xinfrim, anuncia o álbum de estreia de Nuno Prata. Ânimo e fome de mais. Agora Nuno vem sozinho. Traz consigo Nicolas, traz os amigos, mas a aventura é solitária. Com o selo da nova editora “Turbina”, chega o registo «Todos os Dias Fossem Estes/Outros». A embalagem continua com o mesmo formato, agora um pouco mais trabalhada, o que permite a alteração/opção do nome do registo. Dependendo do nosso espírito do dia, “…Fossem Estes” se estamos bem, “…Fossem Outros” se o dia correu mal. Sem dúvida original.
Lá dentro, 19 temas apresentados todos na língua de Camões, onde vem incluído os já conhecidos temas no trabalho anterior, alguns que já haviam sido apresentados ao vivo, e os restantes temas, enchem-nos os ouvidos e a alma com este som tão característico, tão bem conseguido. Uma luz um ar, um sentimento novo no dito “folk” nacional. Nuno Prata é único! E para que não bastasse tamanha criatividade, a produção tamb ém ficou a seu cargo, juntamente com Tricot.

Temas deliciosos ao ouvido: “Não, Eu Não Sou Um Fantasma” logo no inicio do disco, colando de imediato ao viciante “Figuras Tristes”, o “bossa nova” de “Volto Para Casa a Pensar na Mesma Coisa”, outro tema muito bem conseguido “Esse Não, com batidas deslumbrantes em formato… “Drum & Bass”! Pasmem-se! É verdade! “Vamos Andando (Só Temo Pelos Outros)” bem recheado de som energ ético, guitarra saltitante e muita boa disposição como sempre.
Enfim, uma mão cheia, aliás, duas mãos cheias de verdadeiras canções, no formato cheio da palavra. De destacar ainda, “Alegremente Cantando e Rindo Vamos”, Nuno Prata junta os companheiros de luta, Kinorm, Peixe, Manuel Cruz, Edu, Filipe, Ruça, Andr é e Pepe, onde demonstram a alegria e simplicidade de apadrinhar um disco de valor superior. Um disco para não ficar esquecido nas prateleiras, o que é quase impossível de se esquecer, devido ao formato da embalagem, de difícil armazenagem. Ainda bem!

Vítor Pinto

Mais Discos Fenther