A.A.A.
Access All Areas



Estivemos à conversa com Few Fingers, a proposito do album de estreia "Burning Hands".

Fenther – Few Fingers... Porquê?
Nuno Rancho – Somos só dois e fizemos tudo o que se pode ouvir no álbum, foram preciso poucos dedos (Few Fingers) para o fazer.

Fenther – E como se juntam Nuno Rancho e André Pereira?
Nuno Rancho – Já conhecia o André à 15 anos, desde que começamos a fazer musica, já tínhamos tocado juntos noutras bandas, sempre trabalhamos bem juntos e acho que isso se nota no nosso “Burning Hands”.

Fenther – Um disco calmo e inspirador... A pensar no cenário de Outono?
Nuno Rancho – Queríamos explorar as sonoridades acústicas e calmas do folk, foi sempre esse o objectivo, o disco acaba por encaixar perfeitamente nessa estação, é verdade.

Fenther – Sentem-se algo melancólicos ou criadores de ou criadores de emoções?
Nuno Rancho– Escrevo principalmente sobre emoções e sentimentos e tento interpretar aquilo que escrevo de forma a que as pessoas o sintam. Para alem disso o André consegue passar para os instrumentos toda essa carga emocional de que falo.

"Escrevo principalmente sobre emoções e sentimentos e tento interpretar aquilo que escrevo de forma a que as pessoas o sintam."

Fenther – Há convidados no disco?
Nuno Rancho– Na canção “With No Stop And No Border” a letra é co-escrita pela Carolina Pires.

Fenther – E ao vivo? Como vamos poder ver os Few Fingers em palco?
Nuno Rancho– Iremos ter uma banda de suporte para podermos ser o mais fieis ao disco possível.

Fenther – Onde vão mostrar os vossos dedos em movimento em breve?
Nuno Rancho – Tocamos no dia 3 de Outubro no evento “Há musica na Cidade” que reúniu em dois dias mais de 1000 músicos Leirienses em cerca de 30 palcos espalhados pela cidade. Foi o primeiro concerto depois do lançamento do álbum.

Fenther – O que vos inspira? Onde guardam o saco das canções secretas?
Nuno Rancho – Inspiram-nos as pessoas e tudo o que nos faz sentir coisas.

Fenther – Musica nacional? Está boa? Qualidade / quantidade...
Nuno Rancho – Penso que a musica nacional está a passar uma fase extremamente criativa, vê-se pela quantidade de projectos com qualidade que existem e tão variados em termos de sonoridade. Os músicos tem cada vez mais ferramentas acessíveis para gravar e expor as suas criações, parece-me que a tecnologia é uma das grandes responsáveis por este boom na quantidade e qualidade da musica nacional.

Fenther – Mensagem final...
Nuno Rancho – Ouçam musica, vejam concertos, mexam-se.

Vitor Pinto
Fotos: Ricardo Graça