Spiritual Front plays The Smiths - 19/10/2018 - Sabotage Club

The Smiths em Portugal!

Poderia ter sido manchete de jornal, mas não foi.
Mas deveria ter sido.
Não foram os Smiths, mas foi a banda que mais genuinamente lhes presta homenagem, e cujo vocalista parece um Morrissey ainda novo, com o acréscimo das tatuagens, que deixa todos de queixo caído, que nos veio apresentar o trabalho dos Smiths e do Morrissey a lisboa.
Depois de terem estado em 2006 no FADEINFESTIVAL (com Owen Pallett), em 2013 no Festival Entremuralhas e ainda depois do vocalista se ter apresentado a solo no Festival Entremuralhas 2017, os Spiritual Front vieram apresentar a Portugal no passado dia19/10 a sua missa Smithisiana.
Tendo sido o concerto apresentado como Spiritual Front + Spiritual Front plays The Smiths, todos estávamos à espera de a banda a abrir para ela própria.
Contudo, Simone Salvatori e os seus companheiros decidiram cativar o púbico logo de inicio, e para aqueles que conseguiram espreitar na primeira fila, foi uma óptima surpresa ao constatar que o alinhamento consistia em pleno de músicas dos Smiths e do Morrissey.
Expectantes, demos pela banda a entrar magistralmente pelo palco, a montar o seu ensemble e a preparar o público para um concerto que se não for, deveria vir a ser memorável na noite de Lisboa.
Os Smiths desceram nos Spiritual Front, o Morissey incorporou no Simone e o público não alheio a isso.
Postura sempre correcta, simpática, empática e delicada, Simone Salvatori apresenta em palco a figura de Morrissey que os fãs adoram. (houve espaço para abraços e beijos de um fã).
The Queen is Dead abriu o concerto, não fosse um dos hits mais icónicos da banda, e que marca até aos dias de hoje a postura de Morissey em relação ao governo do seu país de origem.
Adiante,percorremos todos os grandes hits da banda – What Difference does it makes, Barbarism Begins at home, Bigmouth strikes again, How Soon, The Boy with a torn in his side, This charming Man, There is a light that never goes out, Still Ill, entre tantas outras- os Spiritual Front renderam o público, fizeram-no cantar, saltar, gritar.
Mas nem todos os fãs que se dirigiram ao Sabotage naquele dia queriam ver The Smiths. Houve inclusivé pessoas que não queriam ver os covers. Houve público que queria ouvir os originais da banda.
Genuínos aos reais fãs os Spiritual Front reservaram um segmento final do concerto para tocarem alguns temas da banda, revesando entre músicas do último disco e alguns mais “clássicos”.
O final deu um balanço de 80% de The Smiths e 20% de Spiritual Front, que deixou o público rendido, de barriga cheia mas mesmo assim à espera de um novo concerto de Spiritual Front, para apresentar em pleno o último disco. ☆


Texto: Filipe Martins
Fotos: Carlos Ferreira



      

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    



+ Aftershows      

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006