Aftershow

Apresentação da nova estação de rádio SBSR.FM

Já lá vão os tempos em que a Super Bock representava apenas o nome de uma bebida que nos ajuda a refrescar naqueles dias infernais de Verão. É certo que continua a ser sinónimo disso, mas ao longo dos anos a marca tem vindo a ganhar lugar de destaque para o público português em geral, seja pela sua produção de cerveja ; pelas suas campanhas de marketing carismáticas, mas sobretudo pela capacidade de organizarem um dos festivais de música mais queridos do público Lisboeta.
O Super Bock Super Rock celebra em 2017 vinte e três primaveras, mas a sua actualidade; energia e bom gosto, mantêm-se os mesmos desde o ínicio, fazendo com que o público adira a este mesmo antes de revelada toda a extensão do cartaz ( a edição de 2017 já tem o dia 13 de Julho quase esgotado, só com a confirmação dos Red Hot Chilli Peppers).
Com uma curadoria quer raramente se descura, o festival tem vindo a acompanhar as tendências músicais anualmente, trazendo os nomes que o público quer ouvir. Tendo já passado por vários espaços pela capital como o Passeio Marítimo de Algés, o Parque Tejo ou a praia do Meco, actualmente materializando-se no Parque das Nações, uma mais valia pela proximidade, familiaridade e facilidade de circulação.
Mudam os locais, mudam os estilos, mudam as bandas, mas o sentimento de quem frequenta o festival, a energia que por ali circula é a mesma. Boa onda, boa música, boa cerveja. Tríade simpática para quem gosta de de disfrutar do verão, de se divertir e aproveitar uma banda sonora irrepreensível.
Mas por muito aprazível que seja um festival de verão, este dura 2 ou 3 dias. Então e o que temos para nos entreter durante o resto do ano? Como ocupar o tempo livre, conhecer bandas novas, e saber em que concertos vamos querer marcar presença no resto do ano?
Bom, agora temos um Super Bock Super Rock diário. Temos um festival sonoro diário, que podemos transmitir directamente de casa. Temos a SBSR.FM.

Numa parceria entre a Super Bock e a Música no Coração, e naquela que era a sintonia da Rádio Nostagia, nasceu a 29 de Novembro de 2016 a nova rádio do país. Com as síntonias 90.4 em Lisboa e 91.0 no Porto, a mesma promete vir a reavivar o ambiente musical nacional.
Estivemos na apresentação da SBSR:Fm, e o que podemos dizer é que esta tem todos os elementos necessários para ser um sucesso e uma autêntica rival a rádios como a Vodafone.Fm e a Radar.Fm.
Com um alinhamento de luxo, o dia de lançamento da rádio contou com nomes como Alek Rein, Filipe Sambado, Samuel Úria, Jibóia, Minta & The Brook Trout ou Jasmim a fazerem showcases em directo do estúdio, em especial para esta apresentação.
Mas o nome sonante desta apresentação, foi nem mais nem menos do que Tomás Wallenstein, a solo, sem os seus Capitão Fausto, mas a prestar homenagem aos mesmos, e a mostrar o que de bom se faz no Rock Português neste momento. Com presença física no estúdio, entrevista em directo, e concerto no átrio da sede da rádio (Fotos na galeria), foi sem dúvida a atracção principal desta apresentação.
Falemos da rádio em si. Em termos de grelha, caracteriza-se por ser uma rádio diversa, que varia entre a playlist pré-escolhida e diversos programas com cadência regular, protagonizados por verdadeiros e amplos amantes da música, pessoas que dedicam o seu dia-a-dia à música, e que vêm partilhar nesta nova programação as suas descobertas e redescobertas. Meramente para nomear alguns dos programas da rádio, temos A Hora da Loira (com a Larara Pereira Marques), O homónimo Ciência Rítmica Avançada, A Floresta Encantada (com a Ana Farinha e o Tiago Castro), o The Selector (música britânica "patrocinionada" pelo The British Council), a Blitz Radio (com o bom gosto do Nelson Ferreira) ou o Espuma (uma memória do que de melhor se fez no Indie, apresentado pelo Paulo Lázaro).
(opinião pessoal). De salientar a importância de uma importação feita, um dos actuais locutores de rádio melhor reconhecidos na excelência do seu trabalho (importado da Radar.FM), o Tiago Castro, que promete trazer uma visão promissora e conhecedora à SBSR.FM.

Apostando não só na vertente radiofónica em estudio, a Fm pretende destacar-se através do seu palco móvel, acompanhando bandas pelo país, dinamizando a transmissão e dando a conhecer o que de melhor se está a fazer na música nacional. Promessa essa que é feita a pés juntos pela rádio, não só divulgar o que o público quer ouvir, mas também dar a conhecer o que se está a fazer de melhor na música portuguesa e servir de impulsinonador para bandas que estão a tentar mostrar o seu valor.
Creio que é desejo genérico (para quem disfruta de música diáriamente) que a Rádio resulte, pois a presmissa é óptima, o alinhamento está acima da média, as pessoas que estão a trabalhar o conceito gostam verdadeiramente daquilo que fazem, têm uma verdadeira paixão pela música, e por isso mesmo, o resultado não pode ser mau. Tem tudo para resultar.

Bém-vinda SBSR.FM. E desde já o nosso Obrigado.

Fotos e texto: Filipe Martins


Mais Reportagens Fenther