Putan Club + Cloakroom + Russian Circles – Hard club, Porto 11 de Março

A principal sala do Hard Club recebeu (e encheu), na noite de 11 de Março para uma noite memorável de bastante diversidade musical. Com os Russian Circles, como cabeças de cartaz, os Cloakroom a aquecer, e a banda surpresa Putan Club, a abrir.

Putan Club
Faltavam poucos dias para o evento decorrer, quando foi anunciada uma alteração de horário e a presença de uma banda surpresa. Chegados à sala 1, facilmente foi percetível que o que aí vinha era algo fora do normal, ao se verificar que os instrumentos prontos para o espetáculo se encontravam na zona da plateia, ao invés de estarem em palco, e nesse aspeto o projeto francês não desiludiu. Foi pouco menos de uma hora de devaneios sonoros, com passagens pelo rock, punk, industrial, e sons do Magrebe, e com alguma provocação para com o público que assistia serenamente ao concerto. Pelas reações do público, este foi um concerto que esteve bastante longe de gerar consenso, mas certamente ficará guardado na memória dos presentes.

Cloakroom
De seguida, subiu a palco os Cloakroom, que se tornaram nos primeiros vencedores da noite. Vindos do Indiana, os Cloakroom apresentaram um set baseada no seu álbum de estreia e no seu único EP («Further Out» e «Infinity» respectivamente), e arrebataram a sala (com uma plateia bastante mais próxima do limite da sala) com a sua sonoridade entre o shoegaze e o post-hardcore, e o timbre da voz de Doyle Martin a fazer lembrar um Thom Yorke mais pesado.
Os momentos mais altos deste concerto foram a «Big World» e a surpresa deixada para o fim, com uma versão da «Farewell Transmission» de Songs: Ohia. Após o término deste muito bem conseguido concerto, certamente o número de seguidores da banda aumentou, e com promessas de um regresso, ficamos ansiosos que tal se suceda, desta vez em nome próprio.

Russian Circles
Sendo já habitués do nosso país, os americanos Russian Circles, regressaram ao Hard Club, para um concerto irrepreensível, que nos fez «viajar», e nos deixou incapazes de ficar parados, através da sua sonoridade post-rock/post- metal.
Com o mais recente «Guidance» na bagagem, o trio norte americano actuou durante cerca e hora e meia, dando maior destaque ao mais recente álbum, no entanto, não deixou de fora grandes temas como a «Mlàdek» ou a inevitável «Youngblood», esta última deixada para encore.
Durante todo o concerto houve uma perfeita simbiose entre banda em palco, e público, havendo mesmo momentos de mosh, nos momentos mais mexidos do concerto, solidificando ainda o mais o amor entre o público português e os Russian Circles. Após o término do concerto, foi perfeitamente visível a satisfação do público perante o que acabaram de assistir, com o desejo que regressem brevemente. ☆

Texto: Tiago Nêveda


            


+ Aftershows      

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006