RED BULL AIR RACE - PORTO

Dez anos depois da estreia as margens do douro voltaram a receber os melhores pilotos da aviação desportiva, com a sexta etapa de 2017 do Red Bull Air Race world championship. Oito anos depois dos aviões acrobáticos terem competido pela última vez sobre o rio Douro entre as pontes D.Luis I e Arrábida, 23 pilotos, em representação de 15 países, voltaram a percorrer o circuito dos pórticos insufláveis a 370 quilómetros por hora.

Nos 2 e 3 de Setembro o Porto recebeu a sexta etapa do calendário de 2017 e a 80ª corrida do campeonato nascido em 2003 e agora dividido entre pilotos consagrados (Master Class) e de novos talentos (Challenger Class), grupo onde surgiu a segunda novidade da competição deste ano, a francesa Mélanie Astles, a primeira mulher piloto da Red Bull Air Race. Mélanie Astles,franco-britânica de 35 anos,está a competir na Challenger Class (antecâmara da Master Class), apenas desde o ano passado, e obteve no Porto\Gaia o terceiro pódio.

Há nomes que certamente ainda fazem parte da memória dos fãs portugueses, como é o caso do piloto norte americano Kirby Chambliss, que ficou em segundo lugar na edição de 2008, no entanto, para metade dos pilotos que participaram na competição, o traçado do Douro foi uma novidade absoluta. Entre as qualificações e a competição ouve espaço para momentos relacionados com a aviação, com a presença de esquadrilhas acrobáticas, parapente e skydive e um autêntico desfile de máquinas históricas, entre elas, o destaque foi para o imponente DC-6 DOUGLAS, o som dos motores e o cinzento brilhante do famoso DC-6 Douglas não deixaram ninguém indiferente à sua passagem. Construído em 1958 na Califórnia, e conhecido como a joia da coroa dos Flying Bulls, é um avião com história digna de registo. Primeiro foi vendido à JAT-companhia aéria jugoslava, para servir os interesses do primeiro-ministro marechal Tito, que queria um avião de luxo para viajar com as celebridades.
Em 1975,já como presidente da jugoslavia, Tito vendeu-o ao chefe de Estado da Zâmbia, Kenneth Kaunda, que mais tarde o deixou abandonado no aeroporto de Lusaka. Atualmente registado com código austriaco, continua a fascinar todos os que o veem.

A adesão foi grande, havia pessoas nas ruas, nos jardins, nas janelas dos casarios, nos terraços. E apesar de ser dificil conseguir contar todos, a organização avançou com um número, 850 mil espectadores nos dois dias de competição da Red Bull Air Race. Um resultado que soma as 250 mil pessoas no sábado, com as 600 mil de domingo.
A Red Bull assegura que a assistência superou o total de pessoas que viram as cinco etapas anteriores da edição deste ano realizadas noutros países.
“Smoke on” foi uma das expressões mais ouvidas este fim de semana no Porto e em Gaia. Tratando-se de um circuito mais rápido do que técnico, voar sobre o rio Douro tem um momento que merece respeito: as manobras de inversão vertical, originalmente conhecidas como “meio oito cubano”, inventadas na década de 1930, por um norte americano em cuba. A Red Bull Air Race é a competição mais exigente, combinando velocidade com acrobacias. Só que no reverso da medalha estão as forças gravitacionais até 10G que os pilotos enfrentam. No Porto o pico dessa situação é quando se faz a viragem junto ás pontes, passando-se num ápice, de pouco mais de 20 metros acima do nível da água até aos 200 metros. Um piloto que pese 80 kg, passa a pessar 800 kg sempre que faz o oito cubano.

O piloto Martin Sonka foi o vencedor da etapa portuguesa com o tempo de 1m07.229s, e é o novo lider da Red Bull Air Race World Championship. Diante de 850 mil pessoas foi o mais rápido a conquistar a vitória na cidade do Porto\Gaia e subir à liderança do campeonato, Pete Mcleod foi segundo, Matt Hall repetiu o terceiro lugar de há 8 anos e Kirby Chambliss foi o quarto classificado na final 4 da etapa portuense.

A Red Bull Air Race despediu-se das cidades do Porto e Gaia,ainda sem saber se a etapa regressa no próximo ano.☆


Fotos: Direitos reservados
Texto: Paulo J. Pinto


      

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

+ Aftershows      

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006