The Parkinsons no Titanic Sur Mer

25 de Abril, dia da Liberdade, e não há melhor forma de a expressar do que ir a um concerto rock sem limites impostos. No Titanic Sur Mer, antes da festa começar, as pessoas conversavam descontraidamente tanto umas com as outras, como com as bandas que mais tarde subiriam ao palco.
Moon Preachers abrem a noite. Com um bola de espelhos pendurada e duas pessoas em palco, bateria, guitarra e voz são suficientes para fazer rock'n'roll. De ritmo bem acelerado, o vocalista Rafael Santos ora cantava, ora gritava de microfone dentro da boca. A comunicação com o público não foi muita mas também não foi necessária, estavam lá com a missão de aquecer o? público e triunfaram. Com tanto punk rock, a certo ponto um dos microfones do cantor caiu ao chão, mas nem ele nem o baterista, João Ferreira, se pareceram importar com o assunto. A loucura estava a começar a vir ao de cima, e agora já não havia como parar.

A banda da noite chegou entretanto, "Boa noite, Porto!" disse Afonso Pinto, vocalista dos Parkinsons, vestindo uns calções de praia e uma t-shirt. A ligação entre a banda e o público foi instantânea que pela segunda música já Afonso andava a passear por cima das cabeças da audiência. Victor Torpedo, guitarrista, saltou a noite toda, e saltou tanto que a fita da guitarra se partiu e teve de tocar com a guitarra apoiada no joelho para ela não cair ao chão. Felizmente para ele, apareceu um salvador com uma nova fita de guitarra, alguns talvez o tenham reconhecido, Dj A Boy Named Sue, também roadie de The Legendary Tigerman, que percebe de desastres em palco e ficou solidário, mesmo estando no público. Por ser um concerto de Parkinsons, naturalmente as coisas ficaram descontroladas. Por 2 vezes o vocalista puxou duas raparigas para dançar ao palco, e, seguindo o exemplo, pouco tempo foi preciso até que o resto público subisse por iniciativa própria, só para poder saltar de volta para onde estava, fazendo crowdsurfing. Mas a banda nem se importou, os fãs são uma extensão deles e, por isso, o palco pertence-lhes também. Sendo o objetivo do concerto a apresentação do novo álbum "The Shape Of Nothing To Come",? foram tocados temas como "Heavy Metal", "See No Evil", “Overweight” e “Bad Wolf”. "Isto parece muito profissional mas é a primeira vez que estamos a tocar estas músicas juntos" confessava o vocalista. Mas músicas soavam exatamente ao que deviam estar a soar, soavam altas, apressadas e agressivas, quase tão agressivas como a força que Afonso usava ao bater com o microfone no seu peito, que entretanto ficou exposto. No ar víamos cerveja, copos, garrafas e pessoas, tudo a voar de um lado para o outro, havia de tudo. A bola de espelhos que outrora esteve intacta, estava agora partida por ter levado tantas vezes com o microfone, microfone este que também se dividia ao meio com grande frequência. No meio disto tudo as pessoas continuavam a subir ao palco, “It doesn’t matter at all” era cantado em “Numb” e parecia resumir o ambiente perfeito e caótico da sala de espectáculos. João Silva, teclista da banda, às tantas tinha a seu lado gente que queria também tocar teclado, inclusivamente Pedro Calhau (membro de Wipeout Beat, ex-Bunnyranch). Quanto mais o concerto avançava, mais aquele rock'n'roll puro e atrapalhado deixava as pessoas felizes, e mais o vocalista fazia loucuras aleatórias. A certo ponto apareceu com fita-cola à volta da cabeça e do pescoço, ficou assim durante algum tempo até pedir ajuda à plateia para que lha tirassem enquanto ele continuava a cantar. Passando por outros temas tais como “Primitive” e “Nothing To Lose”, no fim do concerto, após ter cantado em cima dos ombros de alguém que se movimentava no público, ouviu-se um "Obrigado Cacilhas!". E Cacilhas pode não ter agradecido de volta, mas o Cais de Sodré agradeceu, e garanto-vos que no meio de tanta celebração e falta de sanidade mental, nunca o dia da Liberdade foi tão bem festejado. ☆


Texto: Luisa Pereira
Fotos: Ana Pereira



      

Moon Preachers

    

    

    

    

    

The Parkinsons

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    

    


+ Aftershows      

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006