Eventos
Discos
A.A.A.
Banda X
Porta 253
Borlas
Fenther TV
Passatempos
Arquivo
Enciclopédia
Ficha Técnica

1 / 4
2 / 4
3 / 4
4 / 4

Wings Over Europe
Overkill + Destruction + Flotsam & Jetsam + Rezet
2019.09.11, Hard Club, Porto

Era um fest que se anunciava e assim foi, um verdadeiro festival de thrash com um par de bandas germânicas e outro par norte-americano.
Rezet tiveram, naturalmente, pouca assistência, mas entregaram aos presentes uma excelente actuação, com um som, que por vezes fazia pensar em Megadeth, muito por culpa dos agudos de Ricky Wagner.
Veteranos da cena, eternamente presos à imagem de Jason Newsted e ao excelente «Doomsday For The Deceiver», os Flotsam & Jetsam, apresentaram-se estafados e com um alinhamento pouco interessante. Quando se apresenta um historial com mais de três décadas e se tem de comprimir este para menos de uma dezena de temas, certamente que faixas como «Recover» estão a mais, já para não referir usar uma versão, «Iron Maiden» para terceiro tema da noite.
Destruction são um dos nomes maiores e melhores do thrash germânico, e esta noite, mais uma vez, souberam provar isso. A máquina continua oleada, e quando se tem na manga temas como «Nailed To The Cross», «Mad Butcher», «Thrash Till Death» ou «Bestial Invasion», o sucesso está assegurado. Schimier continua a ser imponente e Randy Black, recentemente integrado como membro na banda, fez-se notar bastante. Único senão, o pouco tempo do grupo em palco, ou, se calhar, por isso mesmo o concerto funcionou tão bem. No fundo, tempo em palco, deixou o gosto a pouco, com um set perto da perfeição... em que faltou o tempo para mais.
A última passagem de Overkill por Portugal, em Vagos, tinha sido morna, na opinião de muitos, mas desta vez. Bobby Blitz e D.D. Verní vieram com tudo, descarregando malha(s) atrás de malha(s), naquela mistura de thrash, rock e hardcore nova-iorquino que tornou o colectivo tão popular. Claro que já não se esperam novidades do lado do quinteto, a começar pelos tons de verde permanentes na luz, até ao final, sempre apoteótico de «Fuck You».
Talvez por ser início de digressão, Bobby Blitz mostrou-se ainda mais conversador que o costume, elogiou Portugal, “O seu país europeu favorito”, relembrou a primeira presença por cá, no velhinho Hard Club de Gaia, assumiu a idade, “grandpa will kick your ass”, antes de «Bastard Nation» e manteve o humor tão afiado como a energia e voz. Um concerto que superou em muito as expectativas.

Texto: Shelley
Fotos: Emanuel Ferreira