Aftershow

Festival Meo Marés Vivas

O Festival Meo Marés Vivas fechou um vez mais com grande força, coragem e muita vontade de regressar em 2017.
75 mil pessoas ficaram deliciadas com um cartaz muito próprio capaz de agradar grandes, pequenos, jovens e amantes de festivais e da boa musica.

Foram muitas as razões para tamanho encanto. Para além das condições a que o festival já nos habituou, foi no cartaz que se sentiu toda a vibração. Elton John logo no primeiro dia, fez um concerto que agradou a toda a gente com os clássicos e boa disposição contagiosa. Um verdadeiro Sir. Depois D.A.M.A. fizeram o resto. Antes Foy Vance embalou o final de tarde ainda quente e Kelis espalhou encanto com a soul dinâmica e sedutora.

Jimmy P. e Dengaz fizeram a abertura de mais um dia intenso. O dia mais concorrido. O dia jovem do Meo Marés Vivas. James Bay com o seu inseparável look, brilhou e fez brilhar. Uma presença notável. Esperava-se mais de Kodaline e de Lost Frequencies. Entreteram mais não convenceram...

James em palco, bandeira nacional projectada no palco e "A Portuguesa" cantada em uníssono por 25 mil pessoas. Foi assim o inicio de um grande concerto dos britânicos. Tim Booth endiabrado conquistou todos com a sua simpatia e depois, foi deixar desfilar as musicas que caracterizam e fizeram a história do James. A mesma formula foi usada por Rui Veloso. Um palco carregado de bons músicos e um desfilar de uma carreira imensa. Tom Odell não surpreendeu e Beth Orton sobre um por do sol fantástico na Praia do Cabedelo encantou com as suas canções doces e envolventes.

Já se contam os dias para a próxima edição do festival que terá novo local, mas sempre com o mesmo espírito!

Até lá!

Fotos: Raquel Nunes


Mais Reportagens Fenther