Aftershow

Moonspell no Pavilhão Multiusos de Guimarães

Guimarães - 2/12/16

Na sala de imprensa, antes do concerto, o aviso era dado: “é como se fossem três concertos”. E assim foi, três cenários para três discos, um mesmo nome numa viagem através de mais de duas décadas: Moonspell!

Num concerto de data única no norte do país e apenas com repetição anunciada para Lisboa, 2017 (Campo Pequeno), aquela que é a mais internacional das bandas portuguesas celebrou os XX anos de “Irreligious”. A festa não se ficou apenas por este disco, começando antes com “Wolfheart”, tocado na íntegra, debaixo de uma Lua gigante por cenário, e por ordem dos temas no disco. Luzes azuis e púrpuras, a presença em dois temas das Crystal Mountain Singers, a inserção do tema “Ataegina”, nas palavras de Fernando Ribeiro,” censurada pela editora da época e remetida para a versão digipack do disco”… Antecedeu-a uma “Trebaruna”, em versão mais cadenciada que no passado. “Vampiria” terá sido, sem dúvida, o ponto mais alto desta primeira parte. Terminado o concerto (ou o disco?), o grupo retirou-se.

Mudança de cenário e um gigantesco “Eye Of Horus” impunha-se no backdrop do palco. Era a capa de “Irreligious”, trabalho que completa vinte anos sobre a sua edição neste ano. Novamente os temas desfilaram pela sua ordem de aparição no disco, o fogo de artificio, os efeitos laser, nos dedos de Fernando Ribeiro durante “Herr Spiegelmann”, as luzes avermelhadas, remetendo para a capa do disco e a presença de Mariangela Demurtas em “Raven Claws”. Simplesmente brutal.

A terceira parte trouxe-nos até ao presente com “Extinct”, músicos com caras pintadas, luzes em tons castanhos e metálicos e os temas do último disco de estúdio a desfilarem por ordem de aparição. Resultou bem, mas os temas de hoje, mesmo que mais maduros e técnicos, perdem para a intensidade de há duas décadas atrás. Mesmo assim, como o vocalista não deixou de referir, ninguém arredou pé, e para muitos terá sido a primeira vez que ouviram os novos temas. Um aniversário memorável, em que se percebeu o porquê de Moonspell ser a maior banda nacional de Metal!

Texto: Rita Afonso
Fotos: Emanuel Ferreira


Mais Reportagens Fenther