Gal Costa

Gal Costa trouxe "A pele do Futuro" à Casa da Música no Porto, no passado dia 23 de janeiro.
O espetáculo começou com "Dê um Rolê" de Novos Baianos, passando por "Mamãe Coragem" e "Vaca Profana".
Segundo a própria, " A Pele do Futuro" é uma forma de comemorar os seus cinquenta e três anos de carreira, mostrando o novo disco, com o mesmo nome da tournée, e revisitando canções da época tropicalista.
Cantou Roberto Carlos, com " As Curvas da Estrada de Santos", "Que Pena" de Jorge Ben Jor e interpretou ainda pela primeira vez " O que é que há" de Fábio Junior.
Interagindo sempre com o público, agradeceu o calor e a simpatia dos portugueses, revelando que a humidade do Porto a deixara rouca e que os medicamentos de cá eram milagrosos.
"Palavras no corpo" revela a sua admiração por Amy Winehouse, lembrando a própria em tom de homenagem. "Chuva de prata" derreteu os corações da sala e colocou toda a gente a cantar com Gal. "Sublime" do novo disco e "Cuidando de longe" fizeram adivinhar o término do espectáculo que teve direito a encore.
Para levantar toda a plateia, Gal cantou por último os Frevos " Bloco do prazer", "Balancê" e "Festa do interior". ☆


Texto: Irina Correia
Fotos: Catarina Costa


    

    

    

    

    

+ Aftershows      

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006