“La Chute”, de Boris Labbé, vence 26º Curtas Vila do Conde


O palmarés da 26ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema foi anunciado esta tarde na cerimónia de encerramento do festival. O grande prémio do certame foi entregue à animação francesa “La Chute”, de Boris Labbé.
O júri – composto por Laurence Boyce (crítico de cinema e membro da BAFTA, da FIPRESCI e da European Film Academy), Aurélie Chesné (programadora da France Télévisions) e Nadav Lapid (escritor e realizador In Focus) – considerou o filme “uma peça de puro cinema (...) como se não existisse mais nada a não ser cinema” mas “também um ensaio audiovisual sobre a vida e a morte”. A curta-metragem “La Chute”, de Boris Labbé, venceu o Grande Prémio DCN Beers da Competição Internacional (à qual concorrem também os filmes da Competição Nacional).
Na mesma competição, “Raymonde ou l’évasion verticale”, de Sarah van den Boom, foi o vencedor do prémio para Melhor Animação; “Madness”, de João Viana, foi considerado o Melhor Documentário; e “Fry Day”, de Laura Moss, foi premiado com o troféu para Melhor Ficção. O Prémio do Público foi atribuído pelos espectadores a “Ce Magnifique Gâteau!” realizado por Emma de Swaef e Marc James Roels.
A portuguesa Ana Moreira, reconhecida como atriz e estreante nas lides da realização, venceu o Prémio de Melhor Curta-Metragem Europeia com “Aquaparque”. O filme ficou, assim, nomeado para os European Film Awards da European Film Academy. Ana Moreira conquistou ainda o Prémio Kino Sound Studio para Melhor Realizador Português. Nas palavras do júri, a curta-metragem “combina a nostalgia do passado e o vazio literal e figurativo do presente num trabalho hipnótico e sedutor”.
Na Competição Nacional, que contou com 17 filmes portugueses a concurso, o vencedor do Prémio Pixel Bunker e Melhor Filme em competição foi “Onde o Verão Vai (Episódios da Juventude)”, de David Pinheiro Vicente – um filme que, segundo o júri, é “um trabalho requintado que combina o cinemático com belos quadros pictóricos”.
O Prémio do Público SPA, destinado ao filme português com melhor média de votação atribuída pelo público, foi atribuído à animação “Entre Sombras”, de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos.
Na Competição Experimental, o realizador norte-americano Morgan Fisher conquistou o prémio para melhor filme com “Another Movie”. O júri atribuiu ainda uma menção honrosa à curta-metragem “Comfort Stations”, da dupla Anja Dornieden e Juan David González.
No Curtinhas, secção para os mais novos onde o júri é composto por crianças, o Prémio Curtinhas MAR Shopping foi atribuído a “The Highway Rat”, de Jeroen Jaspaert. Foram ainda distinguidos com menções honrosas os filmes “Ameise”, de Julia Ocker, e “Skyggebokser”, de Andreas Boggild Monies.
João Pombeiro venceu a Competição de Vídeos Musicais com “Back to Nature”, da banda Nightmares On Wax.
Na Competição Take One!, dedicada a filmes de escola, foram entregues à curta-metragem “Amor, Avenidas Novas”, de Duarte Coimbra, o Prémio IPDJ, o Prémio Smiling, o Prémio Agência da Curta Metragem e o Prémio Restart. A dupla André Puertas e Ana Oliveira conquistou o Prémio Blit para Melhor Realização pela curta-metragem “A Ver o Mar”. Na primeira edição da Competição Take One! Europeu, com várias escolas europeias a concurso, a curta-metragem polaca “Their Voices”, de Eri Mizutani, arrecadou o prémio para melhor filme.

Os filmes premiados serão apresentados, em diferentes cidades do país, através das extensões do festival.

O 26º Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema tem o apoio da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual, do programa MEDIA/Europa Criativa e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival. ☆




      

+ Aftershows      

      geral@fenther.net       Ficha Técnica     Fenther © 2006